Cerrado, a ‘floresta de cabeça para baixo’ que abastece boa parte do Brasil

 

Cerrado é a vegetação mais antiga do planeta (Foto: BBC)

Cerrado é a vegetação mais antiga do planeta (Foto: BBC)

Segundo maior bioma da América do Sul, o Cerrado tem papel central na distribuição das águas que abastecem boa parte do Brasil.

É nele que nascem vários dos rios que integram seis das principais bacias hidrográficas brasileiras: Parnaíba, Paraná, Paraguai, Tocantins-Araguaia, São Francisco e Amazônica.

O Cerrado é também um dos biomas mais antigos e biodiversos do mundo. Começou a se formar há pelo menos 40 milhões de anos e abriga centenas de espécies de animais e plantas que só existem lá.

Cerrado é a nova fronteira do desmatamento no Brasil (Foto: BBC)

Cerrado é a nova fronteira do desmatamento no Brasil (Foto: BBC)

Para sobreviver às longas secas que ocorrem na região, muitas árvores locais desenvolveram sistemas de raízes extremamente profundas e ramificadas.

Graças a essas raízes, várias espécies do bioma jamais perdem as folhas, nem mesmo no auge da estiagem.

As raízes podem ser muito mais extensas que as copas das árvores, o que faz com que o Cerrado seja conhecido como “floresta de cabeça para baixo”.

Árvores presentes no bioma – entre as quais buriti, pequi, jatobá e baru – garantem ainda uma dieta rica para os habitantes da região.

Bioma está ameaçado pelo avanço da agricultura em larga escala (Foto: BBC)

Bioma está ameaçado pelo avanço da agricultura em larga escala (Foto: BBC)

O bioma está, porém, ameaçado seriamente pelo avanço da agricultura em larga escala.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, cerca de 20% das espécies de plantas e animais exclusivas ao bioma já foram extintas, e ao menos 137 espécies de animais da região correm o risco de desaparecer.

Boa parte das últimas áreas de Cerrado se encontram na região conhecida como Matopiba (que engloba trechos do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) – considerada uma das últimas fronteiras agrícolas do país.

 Fonte; G1

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário