Como a União Soviética influenciou o surgimento e a expansão do radicalismo islâmico

 

Muçulmanos em Moscou

Com o triunfo da Revolução Russa em 1917, há cem anos, poucos aspectos da história do século 20 escaparam da influência da superpotência então nascida. O islã e as sociedades islâmicas não foram uma exceção.

No momento do colapso da União Soviética (URSS), no início dos anos 1990, cerca de 50 milhões de muçulmanos viviam ali – a quarta maior população islâmica do mundo na época.

Seis das quinze antigas repúblicas da URSS, concentradas na Ásia Central (Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão, Azerbaijão, Turcomenistão e Uzbequistão), eram de maioria muçulmana. Além disso, o islã também contou – e conta até hoje – com populações consideráveis de seguidores no Cáucaso, nos Urais e em outras regiões do país.

“Os muçulmanos foram centrais – ou até mais centrais – na história russa do que na Europa”, afirmou à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC) Timothy Nunan, professor do Centro de História Global da Universidade Livre de Berlim.

A Revolução Russa e a formação da URSS tiveram um impacto profundo no islã político e na expansão do radicalismo islâmico, dentro e fora das fronteiras soviéticas. Em alguns casos, de forma brutal. E a questão-chave aqui se resume a um país: o Afeganistão.

Muçulmanos no Tajiquistão
Direito de imagemAFP
Image captionSeis das quinze repúblicas da URSS, concentradas na Ásia Central, são de maioria muçulmana

O impacto da invasão do Afeganistão

Para o professor Nunan, trata-se de uma questão repleta de nuances – é possível interpretar tanto que houve como que não houve uma influência de Moscou no mundo muçulmano.

“De uma maneira simples, eu diria que não houve. A União Soviética, desde suas origens, apoiou os movimentos anticoloniais e o que eles chamavam de anti-imperialistas. Os movimentos islâmicos raramente se encaixavam nessa ideia”.

“No entanto, em meados da década de 70 e 80, a URSS se tornou objeto de ódio dos movimentos islâmicos em todo o mundo, especialmente como resultado da invasão e ocupação do Afeganistão. (O país) virou um ímã para os movimentos islâmicos dos anos 80”, ressalta.

Ocupação soviética no Afeganistão
Direito de imagemAFP
Image captionCom a invasão soviética do Afeganistão, a guerrilha islâmica dos Mujahidin – apoiada pelos Estados Unidos – recorreu à jihad

A invasão soviética do Afeganistão se deu em 1979, em apoio ao governo comunista que combatia guerrilhas islâmicas no país, por sua vez apoiadas pelos EUA.

Nunan aponta que, até então, a relação entre a URSS e o mundo islâmico era relativamente cordial e tinha sido marcada pela influência soviética sobre os movimentos de descolonização.

Alianças com o Iêmen do Sul – um Estado socialista próximo de Moscou que desapareceu em 1990 – e com a Síria pareciam demonstrar o sucesso da perspectiva soviética do socialismo no “Terceiro Mundo” e nas sociedades de maioria muçulmana.

Jihad contra a União Soviética

Os dez anos da guerra soviética no Afeganistão transformaram radicalmente essa imagem. Após a invasão, a guerrilha islâmica dos Mujahedin (“combatentes” em árabe) recorreu à jihad (no contexto político, indica em árabe uma guerra pela fé contra os infiéis). Moscou tornou-se seu principal inimigo.

“O Afeganistão se tornou naquele momento tanto a rota de um islã político mais global e acolheu o crescimento de movimentos islâmicos regionais e de violência e instabilidade”, diz Kathleen A. Collins, professora da Universidade de Minnesota.

“A Al Qaeda também nasceu no contexto da guerra do Afeganistão, com a chegada dos jihadistas do Oriente Médio que surgiram nos ramos mais radicais da Irmandade Muçulmana. Muitos deles vieram da Arábia Saudita e de outros países árabes e se mudaram para o Afeganistão, para participar da jihad contra a União Soviética”, acrescenta a autora do livro prestes a ser lançado The Rise of Muslim Politics: Islam and State in Central Asia and the Caucasus (O Surgimento da Política Muçulmana: Islã e Estado na Ásia Central e no Cáucaso, em tradução livre).

Os muçulmanos soviéticos e a Revolução Russa

Dentro da União Soviética, no entanto, a relação entre Moscou e as populações muçulmanas passou por diferentes fases desde o triunfo da Revolução Russa.

Durante seus mais de 70 anos de existência, a União Soviética alternou períodos de tolerância – em que a convivência entre o islã e o socialismo era possível – com momentos de severa repressão religiosa, não só contra os muçulmanos.

Monumento a Lenin
Direito de imagemAFP
Image caption“Muçulmanos russos cujas mesquitas e casas de pedra tenham sido destruídas, cujos costumes e crenças tenham sido zombados pelos czaristas, apoiem a revolução!”, disse Lenin em 1917

Nos primeiros dias da Revolução Russa, Lenin pediu aos seguidores do islã – que haviam sido marginalizados e reprimidos pelo Império Russo – para se juntarem aos bolcheviques, à frente da revolta.

“Muçulmanos russos cujas mesquitas e casas de pedra tenham sido destruídas, cujos costumes e crenças tenham sido zombados pelos czares, apoiem a revolução!”, disse o líder revolucionário em novembro de 1917.

Para Lenin, os cerca de 16 milhões de muçulmanos do Império Russo – em torno de 10% de sua população – eram uma força útil para o avanço de seu projeto político.

Foi também nos primeiros dias da URSS que ideólogos e revolucionários como Sultan Galiev – um bolchevique da origem tártara – tentaram combinar o marxismo e o islã em uma única ideologia.

Mas esse “nacionalismo socialista muçulmano” não durou muito. Galiev, acusado de desvios nacionalistas, foi preso em 1923 e expulso do Partido Comunista. Em 1940, ele foi executado.

Repressão contra os muçulmanos soviéticos

Desde o início dos anos 20, a URSS começou a considerar o islã uma força contrarrevolucionária que tinha que ser combatida. Assim, milhares de mesquitas e madraças (casas de formação no islamismo) foram fechadas, especialmente na Ásia Central.

“No final, havia apenas duas escolas islâmicas legalizadas em toda a União Soviética. O número de mesquitas diminuiu drasticamente. Enquanto anteriormente centenas de mesquitas podiam ser encontradas em uma única grande cidade na Ásia Central, depois sobraram cerca de 17 em todo o Tajiquistão, por exemplo. A política soviética foi extremamente repressiva e destrutiva com a cultura e a fé muçulmana”, afirma Collins.

Muçulmanos em Moscou
Direito de imagemAFP
Image captionMoscou criou uma espécie de ‘burocracia religiosa’ que tentou monopolizar a prática do islã e limitar a prática da fé a lugares controlados pelo Estado.

Essa linha dura suavizou após a invasão alemã da URSS, quando mudanças na política religiosa levaram a um período de relativa tolerância.

Burocracia religiosa

Moscou criou uma espécie de “burocracia religiosa” que tentou monopolizar a prática do islã e limitar a prática da fé a lugares controlados pelo Estado.

Como resultado, uma parte da população muçulmana da Ásia Central deslocou suas práticas religiosas para a esfera privada.

“Eles continuaram a organizar funerais muçulmanos nas suas casas, mesmo sabendo que isso era arriscado. Abandonaram sinais externos, como o hijab (véu tradicional do islã) ou a ida regular às mesquitas, mas muitos deles continuaram sendo crentes. Não foram secularizados”, diz Collins.

Alguns autores argumentam que essa prática religiosa não oficial, somada à rigidez do governo, levou à radicalização dos muçulmanos soviéticos. No entanto, há dúvidas sobre esse ponto.

“É uma questão complicada, não existe uma reação universal ou geral contra a URSS, especialmente nas últimas décadas. Pode-se dizer que muitas pessoas acabaram se adaptando ao sistema soviético, porque este lhes permitia avanços em termos educacionais, profissionais. Não havia nenhum caso de um movimento muçulmano de massa contra a União Soviética”, diz o professor Collins.

“Havia pequenos grupos, que se chamavam os ‘jovens mulás’, especialmente no Tajiquistão e no Uzbequistão, que começaram a se radicalizar com ideias da literatura da Irmandade Muçulmana e de outros grupos islâmicos transnacionais que se infiltraram na URSS nos anos 70 e 80”, acrescenta a pesquisadora.

Muçulmanos na Chechênia
Direito de imagemAFP
Image captionCom a queda da URSS, os movimentos islâmicos locais – às vezes forçados a fugir de seus países de origem – começaram a convergir ao jihadismo internacional que havia sido estimulado pela guerra no Afeganistão

O colapso da URSS, nos anos 1990, e a independência das repúblicas muçulmanas na Ásia Central representaram uma mudança drástica.

Esses grupos minoritários se tornaram a base da nova oposição islâmica, violenta em alguns casos, que foi duramente reprimida no Uzbequistão e no Tajiquistão – da década de 90 até o presente.

Estado Islâmico e ex-repúblicas soviéticas

Com a queda da URSS, os movimentos islâmicos locais – às vezes forçados a fugir de seus países de origem – começaram a convergir ao jihadismo internacional que havia sido estimulado pela guerra no Afeganistão.

Quase 30 anos após a separação de Moscou, as ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central continuam sob o controle de governos autoritários e o islã político continua a ser reprimido. Uma estratégia que, às vezes, parece dar resultados opostos aos planejados.

No entanto, o território pós-soviético onde o jihadismo foi mais ativo nas últimas décadas não deve ser buscado na Ásia Central, mas na Chechênia, nas montanhas do Cáucaso.

Guerra na Chechênia
Direito de imagemAFP
Image captionEm 1999, os rebeldes chechenos anunciaram a implementação da sharia (lei islâmica) na Chechênia e invadiram a república vizinha do Daguestão, onde declararam um Estado islâmico. Mais uma vez, a Rússia respondeu militarmente

Desde a sua adesão ao Império Russo em meados do século 19, essa república predominantemente muçulmana foi palco de várias revoltas contra Moscou.

Em 1944, Josef Stálin chegou a deportar centenas de milhares de chechenos para a Sibéria, acusados de colaborar com os nazistas.

Mas a repressão não acabou com o nacionalismo na região: meio século depois, o colapso da URSS foi visto como uma oportunidade para a independência. Isso também levou ao surgimento do radicalismo islâmico no Cáucaso.

“Durante o início da década de 90, os separatistas buscaram a total independência de sua república, mas o fracasso na construção desse Estado e a forma brutal com que Moscou lutou contra ele transformou a causa nacionalista em islamista, com um componente jihadista”, afirma relatório publicado em 2012 pelo centro de estudos International Crisis Group.

Em 1999, os rebeldes chechenos anunciaram a implementação da sharia (lei islâmica) na Chechênia e invadiram a república vizinha do Daguestão, onde declararam um Estado islâmico. Mais uma vez, a Rússia respondeu militarmente.

A segunda guerra chechena terminou com a destruição de sua capital, Grózni, e a tomada do poder por Moscou.

Soldados russos na Chechênia
Direito de imagemAFP
Image captionA Chechênia e as ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central já foram descritas como viveiros jihadistas

Desde então, militantes jihadistas chechenos continuaram a realizar diversos ataques – incluindo a tomada de mais de 800 reféns num teatro de Moscou em 2002, que terminou com a morte de pelo menos 170 pessoas, e a invasão a uma escola de Beslan, que terminou com quase 400 mortes.

Seu papel no jihadismo internacional também tem sido ativo. Em algumas ocasiões, essa área do Cáucaso e as ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central já foram descritas como viveiros jihadistas.

“Se você soma todos os países pós-soviéticos, você verá que eles enviaram o segundo maior número de militantes para o EI (o autodenominado grupo Estado Islâmico) depois da Tunísia. No entanto, acho que há particularidades desse fenômeno que são contraditórias com o período soviético”, diz o professor Nunan.

“Uma delas é que essas pessoas vivem em Estados independentes onde muitas vezes há carência de legitimidade e uma maior corrupção do que na antiga URSS. Na União Soviética, as pessoas tinham proteção social, um emprego estável, um senso de pertencimento a uma superpotência. (…) Para muitas pessoas hoje, particularmente em países como o Tajiquistão ou o Quirguistão, a percepção é de perspectivas de vida muito mais limitadas”, aponta o especialista.

Fonte: BBC

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário