Do auge à queda: conheça o Império Bizantino, que durou 11 séculos

O Império Bizantino, também conhecido como Império Romano do Oriente, durou de 330 a 1453 d.C. A cidade de Constantinopla, localizada no atual território da Turquia, era a capital administrativa e emergiu como uma “nova Roma” após as conquistas dos povos germânicos que dissolveram o poderio do Império Romano do Ocidente. 

Esse foi o único império a oeste da China a sobreviver da Antiguidade até o início da era Moderna. Situado exatamente entre a Europa e a Ásia, o Império Bizantino foi palco de conflitos entre o cristianismo e o islamismo, e teve o seu fim nas mãos de tropas muçulmanas, em 1453.

Origem
O termo Bizantino refere-se a Bizâncio, uma colônia grega fundada em 658 a.C. às margens do Bósforo, estreito que liga o Mediterrâneo ao Mar Negro. A origem oficial do império, porém, só ocorreu séculos mais tarde, em 330 d.C., quando o imperador romano Constantino fundou no local a cidade de Constantinopla. A cidade serviria como uma capital oriental para o Império Romano. 

Busto do imperador Constantino (Foto: Wikimedia Commons)

Desenvolvimento
O desenvolvimento do Império Bizantino ocorreu a partir da queda de Roma em 478 d.C. Com a porção ocidental do Império Romano enfraquecida após as invasões bárbaras, restou a Constantinopla seguir com o legado daquela civilização. Em uma posição estrategicamente privilegiada, tanto no sentido militar (o estreito do Bósforo impedia invasões marítimas, enquanto as fronteiras menores facilitavam as defesas terrestres), quanto no econômico (estabilidade em comparação ao caos da Europa ocidental), a capital do Império Romano do Oriente manteve-se íntegra por 11 séculos.

Auge
O florescimento do Império Bizantino se deu com o imperador Justiniano I a partir de 527 d.C.. Foi em seu governo que ocorreu a restauração da grandeza romana: ele conseguiu recuperar grandes extensões de territórios perdidos por Roma como a península da Itália, o sul da península Ibérica e o norte da África.

Foi também sob Justiniano I que o Império Bizantino deixou legados vivos até hoje. Físicos, como a Basílica de Santa Sofia, em Constantinopla (atual Istambul); e imateriais: foi o imperador quem reformou e recodificou o Direito Romano, código de leis que ajudou a fundamentar muitos estados modernos.

Detalhe da basílica de Santa Sofia, que posteriormente tonou-se uma mesquita islâmica (Foto: Flickr)

Cristianismo x Islamismo
Com a capital situada exatamente entre a Europa e a Ásia, o Império Bizantino foi palco do embate entre o Cristianismo e o Islamismo. As primeiras invasões de tropas muçulmanas começaram em 634, 12 anos depois da fundação da religião pelo profeta Mohammed. Ao final do século 7, o Império Bizantino já havia perdido a Síria, Jerusalém, o Egito e o norte da África para as tropas islâmicas

Foi no Império Bizantino que também se originaram as Cruzadas, série de guerras entre cristãos e muçulmanos ocorridas entre 1095 e 1291. A primeira delas foi resultado de uma convocação do imperador bizantino Aleixo I aos reinos da Europa Ocidental para conter o avanço dos turcos seljúcidas, que haviam conquistado territórios na Ásia Central e rumavam em direção à Constantinopla. Franceses, italianos e alemães atenderam ao chamado e ajudaram a expulsar os turcos, reconquistando territórios para o Império Bizantino.

Queda
O fim do Império Bizantino aconteceu em 1453, com a derrubada de Constantinopla pelos turco-otomanos. Marcou também o encerramento da Idade Média e o início da Era Moderna.

O sucesso das campanhas contra os turcos gerou atrito entre o Império Bizantino e a Europa Ocidental. As animosidades chegaram a tal ponto que os cruzados decidirem mudar o foco da Quarta Cruzada, que ocorreu entre 1199 e 1204 d.C.. Em vez de tentar retomar Jerusalém, as tropas decidiram conquistar e saquear Constantinopla, obrigando os bizantinos a se exilarem em Nicéia, importante cidade reconquistada dos turcos.

A retomada da capital só ocorreu em 1261. E isso teve um custo econômico enorme. Também permitiu que os turcos voltassem a conquistar influência na região. A partir do Século 14, o Império Bizantino murchava ao mesmo tempo que o Império Otomano crescia e ganhava força. O final da história aconteceu em 29 de maio de 1453, quando, após um cerco de 53 dias, o sultão Mohammed II, o Conquistador, invadiu Constantinopla e eliminou Constantino XI, o último imperador bizantino.

Fonte: Galileu

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.