Você está aqui

Homem cria “batom” que cola a vagina, a fim de segurar a menstruação até a hora do xixi, e é criticado na internet

cola-vaginal

Um quiroprata do Kansas, nos EUA, desenvolveu uma ferramenta bizarra que ele diz poder “ajudar” as mulheres a lidar melhor com a menstruação. A invenção, chamada de Mensez, é um tipo de cola adesiva (que ironicamente tem a forma de um batom) para os lábios vaginais.

A ideia é que estes sejam selados a fim de segurar o sangue menstrual, evitando a necessidade de um absorvente. O adesivo aparentemente só se desfaz no momento em que a mulher urina, liberando todo o sangue armazenado que veio do útero. Entretanto, o inventor, Dr. Daniel Dopps, disse estar chocado porque, apesar de o objeto funcionar, ninguém está comprando e muitas mulheres estão criticando a invenção na internet. As informações são da Medical Daily.

Dopps revelou à Forbes que o Mensez é uma espécie de batom feito de aminoácidos e óleos que ajuda a selar os lábios genitais.

Você já acordou com seus lábios grudados? Não doeu e foi meio divertido, certo?“, escreveu Dopps em sua página do Facebook. “Tudo o que você tinha que fazer era molhá-los com a saliva e eles facilmente se soltavam. Este é o princípio por trás de Mensez”.

Dopps insiste que a cola é forte o suficiente para evitar que o sangue menstrual a rompa, de modo que somente o fluxo de urina pode destruí-la. Ele afirmou ainda que o produto é “seguro e limpo”, mas os críticos, muitos dos quais mulheres, obviamente, pensam o contrário.

Ele sabe que o sangue também é molhado, certo?”, comentou com ironia uma usuária no Facebook. Sobre o comentário, o inventor não pode explicar o motivo, já que a água do sangue não é o fator que levaria a romper a cola e isso está incluso em sua patente.

De acordo com a Forbes, uma patente foi concedida para o Mensez em 10 de janeiro, porém o produto ainda não está disponível em lojas físicas.

Embora a invenção de uma “cola vaginal” não seja a melhor abordagem, de fato há uma grande necessidade no mercado de produtos baratos, convenientes e higiênicos, especialmente quando consideramos que a menstruação ainda é um assunto tabu em alguns países.

Fonte: jornalciencia

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Translate »