MORTE DE MENINAS EM DESLIZAMENTO NO CHILE MOBILIZA CIDADE NO MARANHÃO

A cidade de Bacabal, no Maranhão, está em choque. Uma das meninas que morreram em uma montanha da Cordilheira dos Andes, durante viagem com os pais ao Chile , era neta da vice-prefeita Graciete Lisboa e do ex-prefeito Raimundo Lisboa. Era figura conhecida no município do interior maranhense. Khálida Trabulsi Lisboa, de 3 anos, brincava na nevequando foi atingida por um deslizamento de rochas. A amiga Isadora Bringel, de 7 anos, com quem se divertia, também não resistiu aos ferimentos. Uma terceira criança quase foi ferida, mas foi puxada a tempo por turistas.

As três meninas brincavam na neve perto do reservatório de El Yeso, um dos principais pontos turísticos do inverno chileno. Elas integravam um grupo de cerca de 20 turistas que estava em lugar de acesso restrito no momento da tragédia. As autoridades locais investigam por que as barreiras de segurança da área estavam levantadas nesta segunda-feira e se o guia de turismo pode ser responsabilizado. Um homem chegou a alertar o grupo sobre o rolamento da pedra, mas foi tarde de mais. Khálida morreu na hora; Isadora até foi levada a um centro médico, mas não resistiu.

— Meu irmão ainda tentou reanimar a Khálida. Ela chegou a falar, mas aí depois não resistiu. Como ela morreu no local, precisou haver uma investigação policial. O pai da Isadora também foi atingido, mas ele é grande, é adulto. Meu irmão está muito abalado, e agora é muita papelada para resolver — contou Luis Alberto.

Isadora Bringel, de 7 anos, e Khálida Trabussi Lisboa, de 3, brincavam na neve quando foram atingidas por uma rocha, em área da Cordilheira dos Andes, no Chile. Local deveria estar fechado para turistas Foto: Reprodução
Isadora Bringel, de 7 anos, e Khálida Trabussi Lisboa, de 3, brincavam na neve quando foram atingidas por uma rocha, em área da Cordilheira dos Andes, no Chile. Local deveria estar fechado para turistas Foto: Reprodução
Foto mostra local em que as pedras deslizaram, a cem quilômetros da capital Santiago. Autoridades investigam por que barreiras de segurança da área estavam levantadas Foto: Reprodução
Foto mostra local em que as pedras deslizaram, a cem quilômetros da capital Santiago. Autoridades investigam por que barreiras de segurança da área estavam levantadas Foto: Reprodução

Khálida e Isadora eram figuras queridas no Colégio Reis Magos, cuja direção e professores disseram estar, em nota, “extremamente abalados pela tragédia”. A irmã de Isadora, identificada como Isis, era a melhor amiga de Khálida na escolinha.

— Khálida era uma pessoa muito especial para mim, que sou tio-padrinho. Moro em São Luís e ela, em Bacabal, mas a gente era muito ligado, principalmente por causa da avó dela, minha mãe (Graciete) . Elas andavam muito juntas. Todo mundo gostava dela. Ela cativava muito as pessoas. Foi um diferencial na família, como primeira sobrinha e primeira neta — lembrou o funcionário público.L

Segundo Luis Alberto, a menina de 3 anos também era reconhecida por ser filha de Jorge Trabulsi, que atende a população local. Antes de viajar ao Chile, ele publicou no Instagram que sairia de “miniférias” com a família.

Khálida estava prestes a completar 4 anos de idade, em 22 de junho, e ganharia uma irmãzinha em agosto. A mãe da pequena, Lenne Carvalho Lisboa, está grávida de sete meses. Em sua conta no Instagram, a mãe se descreve como “mãe de Khálida” e “à espera de Katharina”. Em postagem de 10 de maio, ela celebrou ser “mãe de meninas” e exaltou o amor “sem medidas” que sentia pela família.

Fonte: Epoca

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.