O sorriso de R$ 300 milhões

O sorriso de R$ 300 milhões

Oséias Gomes: “Enquanto o dentista se prepara para trabalhar na boca do paciente, eu me preocupo em administrar”

No campo dos negócios, a discrição é uma virtude cada vez mais valorizada, especialmente quando se trata de exposição da vida pessoal. Mas nem todos pensam assim. Um deles é o excêntrico empresário paranaense Oséias Gomes, dono da maior rede de franquias odontológicas do Brasil, a Odonto Excellence, com faturamento milionário. A partir de sua mansão na cidade de Ponta Grossa, a cerca de uma hora de Curitiba, ele administra uma rede de clínicas com quase 600 unidades só no Brasil, além de 57 espalhadas por Angola, Portugal e Paraguai. Enquanto fecha contratos e negocia com potenciais investidores, ele exercita sua outra paixão: o mundo animal. Perto de casa, em uma chácara 100 mil m², ele cria bichos exóticos como avestruz, lhama, tucano e camelo. “Esse é o meu refúgio”, definiu o empresário.

O estilo de vida de Gomes não chama a atenção apenas pela ostentação, mas por sua trajetória. Filho de agricultores, ele e os cinco irmãos ajudavam com o trabalho na roça, que rendia cerca de um salário mínimo para o sustento do grupo. Aos 15 anos, sem a aprovação dos pais, ele foi até a rodoviária e comprou uma passagem apenas de ida para Telêmaco Borba, cidade com 65 mil habitantes à época. O motivo? Queria estudar. Para bancar os estudos e ajudar a família, Oséias trabalhou durante anos como empacotador, lavador de carro e office-boy.

Foi em 2008 que surgiram as primeiras ideias para montar a própria empresa. Um ano depois, Gomes e o sócio Sebastião Marcius — que detém hoje 9% da rede — desembolsaram R$ 5 mil para abrir a primeira unidade da Odonto Excellence, em Ponta Grossa. E não demorou muito para o negócio decolar: o faturamento que começou com cerca de R$ 20 mil no primeiro ano de operação saltou para R$ 300 milhões em 2018. A chave para a fama e fortuna do negócio é a gestão, diz o executivo. “Enquanto o dentista se prepara para trabalhar na boca do paciente, eu me preocupo em administrar, dar treinamento e suporte”.

Excêntrico: O camelo Rafinha vive na chácara da família em Ponta Grossa (PR). Moto, carro e avião decoram o refeitório da empresa (à dir.)

Essa é uma das principais partes da estratégia do empresário. Do lado dos franqueados, um software de gestão concentra todos os dados da empresa, como despesas fixas, gastos com manutenção, número de pacientes inadimplentes e controle de estoque, além de uma agenda anual com todas as datas de cursos presenciais e a distância oferecidos pela Odonto para todos os funcionários da franquia — desde o dono e os dentistas até a equipe responsável pela limpeza do espaço. A ideia tem fundamento. De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), há uma relação clara entre investir em atividades inovadoras e ampliar a rentabilidade do negócio.

“Já constatamos que a inovação em processos de gestão, que envolve o uso de novas tecnologias, gera resultados financeiros para as franquias”, diz Vanessa Bretas, especialista em inteligência de mercado da ABF. Mas o investimento na plataforma é só uma das pontas da preocupação de Oséias. Ele também desenhou um modelo de pagamento diferente do tradicional: quem decide como ou em quantas vezes pode pagar por um determinado tratamento é o próprio cliente. E para driblar os riscos de inadimplência, o empresário oferece alguns incentivos, como descontos que podem chegar a 17% por parcela quando o consumidor paga as contas em dia ou indica outra pessoa para iniciar um tratamento.

PARQUE TEMÁTICO Outro fator que se destaca na cultura da empresa é o relacionamento entre o fundador e os funcionários. No dia a dia é comum encontrar Gomes almoçando com os colaboradores no restaurante que fica a poucos metros da sede. No espaço gastronômico, como é chamado, todos almoçam em um ambiente que lembra um parque temático. As mesas são de carnaúba, madeira nobre, e a decoração inclui a réplica de um carro antigo de três rodas, um avião em miniatura e uma moto Yamaha V-Max original, famosa no filme Motoqueiro Fantasma, estrelado por Nicolas Cage. Os funcionários gostam das excentricidades do patrão — especialmente no inverno, quando a adega do espaço gastronômico é abastecida com diversos rótulos de vinhos, servidos com uma boa rodada de caldos.

Da roça ao primeiro bilhão: o empresário na horta que lembra sua infância e com seus animais exóticos: ele planeja faturar R$ 1 bi em 2020

A interação vai além do escritório. Aqueles que batem metas ou se destacam durante o mês são convidados para o “jantar com o presidente”. É quando Oséias e sua esposa Kelly Gomes, atual diretora técnica de odontologia da empresa, recebem convidados em casa e preparam uma refeição para os campeões. “A meritocracia faz parte do plano estratégico que eu tenho para fazer a empresa crescer”, afirma.

Em meio ao trabalho também há espaço para o descanso. Fora da operação, o empresário dedica parte de seu tempo para a academia instalada no último andar de sua casa e para as viagens com a família, que seguem o rigor de uma lei: não passam de quatro dias, independente do destino, dentro ou fora do país. Mas o xodó da família, e dos funcionários que batem as metas, é a Rafinha — camelo fëmea de estimação que tem um estábulo privado na chácara. É lá que o empresário costuma pensar em como expandir os negócios. O plano atual é ampliar a operação em São Paulo, onde Oséias abrirá um escritório ainda este ano. Para tornar a viagem mais curta, ele irá comprar seu primeiro helicóptero.

De acordo com a ABF, em termos de expansão, ainda há muito espaço para o setor odontológico no País. O faturamento nacional das franquias desse segmento tem crescido aproximadamente 15% ao ano desde 2016. “É um tipo de serviço que quase todas as pessoas, se não todas, em algum momento da vida necessitam”, diz André Friedheim, presidente da Associação. “A franquia traz uma forma eficiente de replicar processos e metodologias com alta qualidade e baixo investimento por parte do franqueador.”

É com essa linha de pensamento que Oséias quer traçar voos mais altos. O empresário já tem um esboço do que pretende no longo prazo: vai investir cerca de R$ 10 milhões para abrir uma universidade em Ponta Grossa especializada em administração e tecnologia da informação. Antes, sua expectativa é alcançar o primeiro bilhão em 2020, quando a rede pretende ter mil unidades abertas no Brasil e no mundo. “É um trabalho que só está começando,” diz o executivo.


Fonte: Istoé

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.