Você está aqui

Podemos comer um alimento depois de tirar seu bolor?

Você já deve ter passado pelo incômodo momento de encontrar um pão e descobrir que partes dele estão mofadas, e isso ainda piora se nesse momento você estiver com muita fome.

Há de se admitir que, em certo momento, você deve ter considerado remover o bolor e comer o resto, e se o fez, certamente ficou preocupado com as consequências. Mas será que isso faz realmente mal à saúde? De acordo com a bióloga Karlla Patricia, do Diário de Biologia, esta é apenas “a ponta do iceberg”. Alguns bolores podem causar fortes reações alérgicas, incluído problemas respiratórios. Como existem variedades, algumas espécies podem produzir substâncias tóxicas, chamadas de micotoxinas, em suas raízes.

O bolor, na verdade, é um fungo composto em três partes. Os filamentos de raiz, chamados de hifa e que penetram os alimentos; o caule, visto na superfície; e os esporos, localizados na ponta do caule. Logo, se o caule estiver visível, significa que as hifas já conseguiram atingir todo o alimento. Assim, é ideal que você não coma o item atingido.

De acordo com a bióloga, torrar o pão, por exemplo, pode até matar o fungo, mas, pode não inativar a presença das micotoxinas, que são resistentes ao calor. O bolor que vimos surge com aparências diferentes, na maioria das vezes como “pontinhos” verdes e de aparência aveludada. Pode atingir desde as frutas e pães até alimentos conservados em geladeira.

No entanto, a boa notícia é que nem todos os bolores são maléficos. Os encontrados nos queijos gorgonzola e roquefort são muito apreciados na culinária. Além disso, um tipo comum de bolor de pão ajudou em uma importante descoberta médica: a penicilina. De outra forma, eles têm um papel fundamental na decomposição do lixo orgânico, sendo essenciais para a natureza.

Fonte: jornalciencia

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »