Presidente da Croácia faz sucesso misturada a torcedores na Copa e pagando o próprio ingresso

Após a Croácia eliminar nos pênaltis a anfitriã da Copa, a Rússia, no sábado, conquistando uma vaga para a semifinal desta quarta contra a Inglaterra, jogadores e membros da comissão técnica do país foram vistos celebrando, aos pulos, com uma mulher.

Loira, bonita, vestida de calça vermelha e camisa da seleção, engrossando o coro que cantava um verso patriótico (‘chame, apenas chame/todos os falcões /eles darão a vida por você’, em tradução livre), ela se destacava nas imagens compartilhadas na internet.

É justamente o jeito despojado da mandatária, a primeira mulher a comandar a Croácia, que tem chamado a atenção de quem está acompanhando a Copa da Rússia.

Kolinda é uma das autoridades presentes aos jogos que mais atraíram comentários nas redes sociais – justamente por se portar como uma torcedora comum.

A mandatária tirou dias de folga – devidamente descontados de seu salário – para acompanhar algumas partidas da Croácia no Mundial. E, já que não viajou a trabalho, viajou para a Rússia assim como a maioria dos torcedores estrangeiros: em um voo comercial.

A própria Kolinda compartilhou a imagem em que aparece no avião ao lado de vários torcedores, com a legenda “vamos para a vitória”. Ela estava a caminho de Nizhny Novgorod para assistir à partida entre Croácia e Dinamarca, em 1º de julho.

Na partida contra a Rússia, em Sochi, pelas quartas de final da competição, Kolinda foi identificada nas arquibancadas e levada para a tribuna de honra da Fifa.

Quem é ela

Descrita como populista conservadora, Kolinda Grabar-Kitarovic, do partido União Democrática Croata (HDZ), foi eleita a primeira mandatária mulher do país em 2015, no segundo turno das eleições gerais, ao derrotar o candidato social-democrata e então presidente croata, Ivo Josipovic, com 50,54% dos votos.

Dois anos antes, em 2013, a Croácia, país de 4,1 milhões de habitantes (segundo o Banco Mundial) que declarou independência da antiga Iugoslávia em 1991, havia entrado para a União Europeia.

Antes de se tornar presidente, Kolinda seguia carreira diplomática. Ela foi embaixadora da Croácia em Washington entre 2008 e 2011, ministra para Integração Europeia e ministra das Relações Exteriores.

A presidente é casada e tem um casal de filhos adolescentes.

Considerada da ala moderada de seu partido, a política católica declarou durante sua campanha, em 2014, que daria o seu apoio caso um dos filhos se assumisse como homossexual. Ela também disse que autorizaria o uso medicinal da maconha e que a decisão de fazer um aborto cabe à mulher.

Fonte: BBC

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.