Presos suspeitos de matar e queimar quatro pessoas em invasão no Pará

Polícia investiga morte de quatro pessoas carbonizadas no sudeste do PA

Polícia investiga morte de quatro pessoas carbonizadas no sudeste do PA

A polícia prendeu na terça-feira (2), três homens suspeitos de matar e queimar os corpos de um policial militar da reserva, do filho dele e de mais duas pessoas em Santa Maria das Barreiras, no sul do Pará. Segundo a polícia, o crime teria sido motivado por disputa de terras. Os presos foram levados para a delegacia de Santana do Araguaia, onde estão sendo autuados.

As vítimas foram encontradas na última terça-feira dentro de uma caminhonete na invasão Cristalino, um terreno de cerca de 40 mil hectares, que abrange os municípios de Santana do Araguaia, Santa Maria das Barreiras e Cumaru do Norte. O policial e o filho estariam envolvidos em ações de retirada dos invasores do terreno.

Equipes das polícias Civil e Militar foram ao assentamento Cristalino e prenderam três homens suspeitos de participação no crime. Eles reagiram a ação policial e houve troca de tiros. Um quarto suspeito foi atingido e morreu no local.

Uma equipe da Divisão de Homicídios de Belém está no município para levantar mais informações sobre o crime.

“Estão sendo apuradas ainda as circunstâncias, mas se sabe que esse grupo reuniu para tirar a vida do policial da reserva, tendo em vista a tentativa de expulsar alguns invasores da área. Então, o conflito entre invasores pela disputa de área de terras na região, em especial a desocupação de áreas invadiras”, explicou o superintendente regional de Polícia Civil, Antônio Miranda.

Os corpos carbonizados chegaram na manhã desta quarta-feira (3) no Instituto Médico Legal (IML) de Marabá, sudeste do Pará. Eles serão identificados através de exames de DNA, que devem ficar prontos em até 15 dias.

Fonte: G1

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.