Trabalhadores cobram salários no segundo dia de protestos em Marabá

Terceirizados pela Prefeitura, trabalhadores da limpeza cobram pagamento. Manifestantes interditaram trecho da Transamazônica no município.

Manifestantes realizaram nesta sexta-feira (14) o segundo dia de protestos no município de Marabá, no sudeste do Pará. Trabalhadores contratados pela Prefeitura para fazer o serviço de limpeza da cidade cobram desde quinta (13) o pagamento de salários atrasados há três meses.  A Prefeitura de Marabá informou que a prevê o início dos pagamentos para a tarde desta sexta.

Durante os protestos, um trecho da rodovia Transamazônica, no perímetro urbano da cidade, foi interditada pelos manifestantes com a queima de entulho e de pneus. A Polícia Rodoviária Federal negociou a liberação da via, mas os manifestantes mantiveram o o protesto.

O trânsito na área, que é intenso devido ao grande fluxo de veículos no trecho, ficou ainda mais congestionado. Para fugir do bloqueio, motoristas voltaram na contra mão e alguns chegaram a fazer uma uma conversão proibida por cima de uma faixa de pedestres.

Os protestos começaram na quinta com uma manifestação dos trabalhadores na porta da Secretaria de Urbanismo em uma das principais avenidas da cidade e queimaram pneus para impedir o tráfego de veículos.

É interessante ressaltar, que os servidores da saúde e outras categorias reivindicam o pagamento dos salários em atraso. Triste realidade essa do Município de Marabá,  que figura entre as 100 prefeituras mais ricas do Brasil e não honrar com o pagamento dos servidores.

De acordo com nota emitida pela Assessoria de Comunicação da Prefeitura:  A prefeitura de Marabá paga na tarde dessa sexta feira (14), os salários dos garis, dos servidores da Saúde e dos concursados  das demais secretarias municipais, com exceção dos da Secretaria de Educação.

Jaqueline Alves

Graduada em Ciências Sociais e Engenheira Ambiental. Especialista em Direito Ambiental; Direito Municipal; Gestão Pública; Engenharia e Segurança do Trabalho; MBA em Petróleo e Gás e Auditoria Ambiental

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.